quarta-feira, 16 de agosto de 2017

NOVIDADE & ENTREVISTA: Pré-venda do Livro "Árion", Pablo Madeira | por Carol Sant

|

Olá, como vocês estão hoje? Tudo belezinha?
Nesse dia friozinho e gostoso para ficar debaixo das cobertas, assistindo um filminho clichê ou lendo novos livros que te fazem refletir e se apaixonar, venho com uma super novidade e duas super dicas de dois livros para conhecer e se apaixonar! Estou falando sobre os livros do nosso queridissímo autor "Pablo Madeira" e segundo minhas fontes, tem novidade vindo por ai ♥



Pablo é muito intenso e acho por ser assim, essa qualidade acaba transparecendo em suas obras (o que eu confesso me chama muita atenção). Pablo é autor de nada menos que três livros físicos publicados, sendo eles: "Clér", "Sem Amor, Só a Lo(cura)" e "Árion" (que está em pré-venda, aliás).

Seu primeiro livro lançado foi "Clér", um romance LGBT que ganhou muitos fãs e tem uma pontuação de 4.3 no Skoob (o que é muito bom). Eu particularmente comprei o livro mas infelizmente ainda não pude ter o prazer de ler, quero ler o mais rápido possível.
A história do livro é a seguinte: A decisão de sair da casa dos seus pais e ir morar com a sua tia em outra cidade foi necessária para Rodrigo. O jovem não suportava mais conviver com os problemas alcoólicos de seu pai e ser feliz era algo que não podia mais ser adiado. Se assumir homossexual não era uma das escolhas mais fáceis, já que seu pai sempre dizia que jamais teria um filho gay. Além das novas amizades e do primeiro emprego, Rodrigo irá sentir pela primeira vez o tão falado “amor à primeira vista” ao conhecer o jovem Clér. Mas nem tudo é o que parece e Rodrigo vai aprender que o preconceito pode existir em qualquer lugar e que, por esse motivo, às vezes precisamos guardar alguns segredos.

Perguntas Sobre o livro "Clér".
EU: Como a história do livro "Clér" surgiu na sua cabeça e com quantos anos você a escreveu?
PABLO: Eu tinha de 16 para 17 anos quando eu cismei de querer escrever um romance, um livro. Na verdade o "Árion" foi um livro que sempre esteve na minha cabeça, mas eu quis começar de uma forma assim: "Poxa, eu sou homossexual, eu vou escrever sobre uma realidade minha." Por achar que eu iria ter um dominio maior da escrita e que eu iria saber expressar melhor a minha realidade, a história de "Clér" surgiu na minha cabeça em uma virada de ano novo e uma amiga minha tem um amigo que se chama "Clér", mas eu acho que ele chama Clér mesmo (risos), já o meu chama "Clerisson" e Clér é uma forma de apelido.
Ai eu achei o nome estranho por ser nome de mulher, mas também achei chamativo por ser aquele nome que tem sentido duplo, a conclusão foi que o menino nunca mais falou comigo na vida (risos) e foi assim que surgiu a ideia.

EU: Tu se inspirou em alguém que conhece para criar o personagem do Rodrigo?
PABLO: Não, não me inspirei em ninguém para criar o Rodrigo. Mas tem muito de mim ali nele, como eu te falei, eu queria escrever um livro que falasse sobre a homossexualidade e pelo fato de eu ser, eu iria passar mais verdade. 
Então o personagem sendo homossexual, ele me deu uma liberdade grande para colocar muitas coisas dentro do livro.Mas não sou eu, o Rodrigo é uma personagem todo fictício apesar de ter atitudes que ele tomou que eu eu também faria, mas nem todas! 
_________________________________________________________________________________

Logo no ano seguinte o autor lançou um livro de crônicas que leva o título de "Sem Amor, Só a Lo(cura)", que eu tive a honra de ler e conversar com vocês sobre ele aqui e para quem não lembra ou não viu a resenha que fiz sobre o livro, basta CLICAR AQUI para conferir e se arrepiar ao ler esse livro maravilhoso!
Sinopse: "Com uma linguagem ímpar, misturando amizades, amores, decepções e dores incuráveis, Pablo Madeira nos apresenta um retrato da vivência humana, de seu interior mais solitário, ambicioso e inacreditável. Cada texto foca em um sentimento e tema que nos obriga a ponderar sobre a vida e o seu sentido real, como se realmente pudéssemos encontrar qualquer significado em meio ao nosso caos mental. A maturidade e desenvolvimento ao longo de sua carreira é evidente e formidável." (Trecho extraído do prefácio que foi escrito pela autora L.L Alves).


Perguntas sobre o livro "Sem Amor, Só a Lou(cura)".

EU: Agora falando um pouquinho sobre o "Sem Amor, Só a Lou(cura)", você sempre gostou de ler/escrever crônicas?
PABLO: Sim. Eu sempre gostei de ler e escrever crônicas, sabe?!
Eu leio bastante "Martha Medeiros", "Caio Fernando Abreu", "Tati Bernardi", "Clarissa Corrêa", "Fernando Sabino", são bastantes mas sempre gostei. 

EU: Como foi sua reação as criticas positivas e negativas sobre o livro? E o que você queria que o livro trouxesse ao leitor?
PABLO: Para ser bem honesto, eu não recebi nenhuma crítica negativa. Até me falaram que queriam que o livro fosse maior (risos). Eu recebi muita crítica positiva e muitas pessoas perceberam um amadurecimento enorme na minha escrita em relação ao livro anterior, me disseram que eu cresci muito como escritor. 
Eu estava em um momento muito ruim da minha vida, era um momento que eu estava passando por vários problemas pessoais e então eu estava sofrendo demais e  estava feliz demais, eu estava no pico de emoções em todos os sentidos e isso meio que foi o ápice. Quando eu estava no extremo de algum sentimento eu escrevia um texto, sabe? 
Ás vezes eu via um morador de rua e já me despertava alguma coisa para poder escrever sobre ele ou as vezes eu perdi alguém da minha família, então já escrevi sobre um luto. Sempre fiz essas coisas, então eu queria que o leitor começasse a se importar mais com as coisas simples da vida, com as pequenas alegrias, com um gesto de carinho, com um olhar, que as vezes as coisas parecem monótonas para a gente e chatas mas se soubermos olhar com outros olhos isso pode fazer uma grande diferença na nossa vida. Eu queria tocar o leitor, por isso que são vários textos e cada texto aborda uma temática diferente porque eu queria tocar o leitor de alguma forma.
__________________________________________________________________________________ 

E agora após um ano da publicação de "Sem Amor, Só a Lou(cura)", o autor está lançando o livro "Árion", uma fantasia que promete ser incrível, eu estou mega ansiosa pela leitura e o livro já está em pré-venda no site da Editora Xeque-Matte que alias, está com um preço mega em conta por ser um lançamento, apenas R$ 19,90 + FRETE e para conferir basta CLICAR AQUI e comprar seu exemplar, eu já garanti o meu e você não vai ficar de fora né?!
Sinopse: 
Durante uma invasão noturna em uma velha casa, que muitos julgavam assombrada, Laura acaba descobrindo que um antigo espelho é na verdade um portal para um mundo mágico, chamado Árion. Por acidente, a jovem acaba sendo levada para este mundo na companhia do seu melhor amigo e do ex-namorado.
Porém, os problemas estavam apenas começando, pois Árion está em guerra e a chegada dos jovens é a prova de que uma antiga profecia se tornará realidade, ou seja, a existência de outros mundos, despertando com isso o desejo das forças das trevas de dominarem a Terra a qualquer custo. Agora, a jovem e os amigos precisam descobrir uma forma de voltar para casa antes que seja tarde. 

Perguntas sobre o livro "Árion".


EU: Agora pra finalizar, vamos falar sobre o seu livro novo. Como foi passar para o papel uma história que já estava viva a tanto tempo na sua cabeça?
PABLO: Olha, essa história está viva na minha cabeça desde que eu tinha 15 anos que foi quando eu comecei a gostar de ler. Não ia nem chamar "Árion", ia chamar "Mickaela Fortanner" , seria tipo Harry Potter, com o nome do personagem principal e um subtítulo.
Nossa, foi muito gratificante! Eu acho que de todos os trabalhos, esse é o trabalho que eu me sinto mais bem preparado, mais maduro, mais original e mais criativo. Eu tive liberdade para construir muita coisa e eu fiquei muito feliz, o livro está na pré-venda e inclusive eu estou dando um exemplar do "Sem Amor, Só a Lou(cura)" para os primeiros 28 compradores, eu to bem empolgado e louco para receber o feedback dos leitores.
Eu criei duas raças para esse primeiro livro e no próximo livro também terá duas raças criadas por mim, eu misturo muito mitologia egípcia com mitologia grega... Eu viajo na maionese sem pudor, acho que é um livro entrou para o meu coração e está sendo meio que meu xodó.

EU: Qual a lição que você espera que os leitores tiram do livro de "Árion" e qual sua dica para aqueles que assim como você, querem se tornar escritores?
PABLO: Poxa, eu acho acima de tudo a lição que as pessoas que lerem "Árion" devem tirar é a importância de dizerem o que pensam e não guardar para si mesmo, acho que é uma lição que as pessoas podem tomar com o livro que é de não guardar. As vezes você quer falar algo para uma pessoa e o seu orgulho não deixa e também sobre o preconceito, porque vai abordar uma questão social só que no mundo mágico mas, é uma coisa que acontece no nosso planeta terra. Sobre companheirismo, amizade, sobre a importância de ser quem você é independente do que os outros pensem e claro, como eu disse no inicio, não guardar tudo para si mesmo.
Agora dica para quem quer ser escritor é principalmente ler muito porque geralmente quem lê muito escreve bem, escrever sempre que possível e não desistir né, porque muitas pessoas flopam na metade do caminho, acho que o que você não pode é desistir!
__________________________________________________________________________________

Então é isso galera, já corre no site da editora para garantir seu exemplar e quem sabe ganhar um exemplar de "Sem Amor, Só a Lou(cura)" e aproveita que o preço está super em conta. Recapitulando o livro está em pré-venda pelo preço de R$ 19,90 + FRETE!
Beijos da Cah 

Compre seu exemplar CLICANDO AQUI 

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

FAVORITOS DO MÊS: Julho (2017) | por Carol Sant

|
Olar pessoas, tudo belezinha com vocês?
Eu sei que tinha parado de fazer post sobre favoritos do mês, mas me deu na telha de querer fazer esse mês, então cá estou eu para fazer isso! Curiosos?


Começando pelos livros que li e levaram cinco estrelas e foram favoritados, vou falar sobre quatro incríveis livros que li no mês de julho.

O primeiro foi sem dúvida o livro "Quando a Noite Cai", da Carina Rissi. Eu nunca tinha lido nada da Carina antes e foi através desse livro que tive meu primeiro contato com a autora e sério, que escrita maravilhosa. Agora estou igual uma louca procurando mais livros dela para pegar para ler! 
Sinopse: Briana Pinheiro sabe que não é a pessoa mais sortuda do mundo. Sempre que ela está por perto algo vai mal, especialmente no trabalho. Por isso é tão difícil manter um emprego. E a garota realmente precisa de grana, já que a pensão da família não anda nada bem. Mas esse não é o único motivo pelo qual Briana anda perdendo o sono. Quando a noite cai e o sono vem, ela é transportada para terras distantes: um mundo com espadas, castelos e um guerreiro irlandês que teima em lhe roubar os sonhos... e o coração. Depois de ser demitida — pela terceira vez no mês! —, Briana reúne coragem e esperanças e sai em busca de um novo trabalho. É quando Gael O’Connor cruza seu caminho. O irlandês de olhar misterioso e poucas palavras lhe oferece uma vaga em uma de suas empresas. Só tem um probleminha: seu novo chefe é exatamente igual ao guerreiro dos seus sonhos. Enquanto tenta manter a má sorte longe do escritório, Briana acaba por misturar realidade e fantasia e se apaixona pelo belo, irresistível e enigmático Gael. Em uma viagem à Irlanda, a paixão explode e, com ela, o mundo de Briana, pois a garota vai descobrir que seu conto de fadas está em risco — e que talvez nem mesmo o amor verdadeiro seja capaz de triunfar...

Agora saindo do romance e indo para uma fantasia, eu li "Um Tom Mais Escuro de Magia", da V. E. Schwab e amei tudo no livro, desde a primeira letra até o último ponto final. O livro é cheio de reviravoltas e muita ação, o que me deixou vidrada na história até que eu terminasse de ler. Lembrando que já está confirmada a vinda dela para a bienal do Rio esse ano, quem ai está ansioso?
Sinopse: Kell é um dos últimos Viajantes — magos com uma habilidade rara e cobiçada de viajar entre universos paralelos conectados por uma cidade mágica. Existe a Londres Cinza, suja e enfadonha, sem magia alguma e com um rei louco — George III. A Londres Vermelha, onde vida e magia são reverenciadas, e onde Kell foi criado ao lado de Rhy Maresh, o boêmio herdeiro de um império próspero. A Londres Branca: um lugar onde se luta para controlar a magia, e onde a magia reage, drenando a cidade até os ossos. E era uma vez... a Londres Negra. Mas ninguém mais fala sobre ela. Oficialmente, Kell é o Viajante Vermelho, embaixador do império Maresh, encarregado das correspondências mensais entre a realeza de cada Londres. Extra-oficialmente, Kell é um contrabandista, atendendo pessoas dispostas a pagar por mínimos vislumbres de um mundo que nunca verão. É um hobby desafiador com consequências perigosas que Kell agora conhecerá de perto. Fugindo para a Londres Cinza, Kell esbarra com Delilah Bard, uma ladra com grandes aspirações. Primeiro ela o assalta, depois o salva de um inimigo mortal e finalmente obriga Kell a levá-la para outro mundo a fim de experimentar uma aventura de verdade. Magia perigosa está à solta e a traição espreita em cada esquina. Para salvar todos os mundos, Kell e Lila primeiro precisam permanecer vivos.

Outro livro que li e favoritei, foi "Por que Indiana, João?", do Danilo Lenardi. O livro apesar de ser pequeno, desenvolve muito bem a história e os personagens e claro que o assunto do livro, que é bullying, me chamou muito a atenção e me fez ficar cada vez mais atraída pelos acontecimentos do livro. Sem contar que é um livro que traz muitas reflexões de como tratamos o outro!
Sinopse: Você pode pensar que, aos quinze anos, João já deveria estar acostumado com provocações, apelidos e humilhações. Afinal, ele é um típico adolescente deslocado e tímido. Alvo perfeito para a ira dos valentões e para o desprezo das garotas.
Mas sua vida muda completamente quando reage a um ataque de seu maior algoz. O golpe de sorte que derruba o valentão é gravado e vira hit na internet.
João se vê finalmente admirado, respeitado e seguro. Mas tudo tem seu preço e João vai aprender qual o peso que suas escolhas podem ter não só sobre sua vida, mas sobre as vidas de todos ao seu redor.
“Por que Indiana, João?” é o livro de estreia de Danilo Leonardi, editor do canal “Cabine Literária” e parte de uma história quase comum para falar sobre algo que não deveria ser tão comum assim e que faz parte da vida de muitos adolescentes, jovens e até de adultos: o bullying.



E por último mas não menos interessante, foi o livro "O Sorriso da Hiena", do Gustavo Ávilla. O livro já tinha sido lançado de forma independente e eu já tinha visto muitas resenhas positivas sobre o livro, até que a editora Vêrus comprou os direitos autorais e lançou o livro no mês de Junho e finalmente eu pude ler essa obra que posso dizer, é incrível.

Sinopse: É possível justificar o mal quando há a intenção de fazer o bem?
Atormentado por achar que não faz o suficiente para tornar o mundo um lugar melhor, William, um respeitado psicólogo infantil, tem a chance de realizar um estudo que pode ajudar a entender o desenvolvimento da maldade humana. 
Porém a proposta, feita pelo misterioso David, coloca o psicólogo diante de um complexo dilema moral. Para saber se é um homem cruel por ter testemunhado o brutal assassinato de seus pais quando tinha apenas oito anos, David planeja repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com a sua, dando a William a chance de acompanhar o crescimento das crianças órfãs e descobrir a influência desse trauma no crescimento delas.
Mas até onde William será capaz de ir para atingir seus objetivos?
Em O sorriso da hiena, Gustavo Ávila cria uma trama complexa de suspense e jogos psicológicos, em uma história que vai manter o leitor fisgado até a última página enquanto acompanha o detetive Artur Veiga nas investigações para desvendar essa série de crimes que está aterrorizando a cidade.



Agora falando de filmes, eu não assisti tantos filmes como gostaria de ter visto. Na verdade assisti a apenas quatro filmes, que foram: "Plano Fatal", "Homem Aranha: De Volta ao Lar", "O Minimo Para Viver" e "A Bailarina". Mas hoje quero dar destaque para o filme mais fofinho que vi no mês, que é "A Bailarina".



O filme é uma animação muito fofa que foi adicionada recentemente na Netflix, é o tipo de animação que eu adoro ver. Sem contar que parece realmente um conto de fadas moderno e sem relação alguma com um príncipe encantado que deve salvar a mocinha e sim relacionado a mocinha que tem um sonho e corre atrás dele até concretiza-lo porque ela é destemida e forte.


Sinopse: Felicie, uma sonhadora menina órfã que almeja realizar o sonho de ser uma grande bailarina. Para isso, a jovem toma uma atitude arriscada para conseguir o que quer: foge para Paris e decide se passar por outra pessoa, e consegue uma vaga no Grand Opera, onde vai aprontar muitas aventuras.
Entrando no mundo das nossas amadas séries de todos os dias, tenho visto bastante séries de diferentes gêneros, entre elas estão "Gilmore Girls", "Death Note" (que é um anime, mas finge que é série), "How I Meet Your Mother", "Orphan Black", entre muitas outras. Mas tenho que novamente dar destaque a segunda temporada da série "The Following", a série não decaiu na segunda temporada como muitas vezes acontece (*ALERTA DE SPOILER, ALERTA DE SPOILER*) e temos mais um vez o psicopata Joe que continua a sua matança e aumenta seu número de seguidores (o que é assustador) e claro, Ryan que tenta desesperadamente pegar Joe e faze-lo com que pare de matar.

Sinopse: “Seguindo para sua intensa segunda temporada, o thriller psicológico The Following volta a acompanhar Ryan Hardy durante uma nova e terrível série de mortes. O FBI chama Ryan e Mike para conversar com uma sobrevivente, Lily (papel de Connie Nielsen), na tentativa de resolver o caso.

Ryan está relutante em retomar relações com a agência federal, mas encontra uma aliada valiosa em sua sobrinha, Max, uma policial de Nova York que está trabalhando na divisão de inteligência. Conforme a investigação prossegue, Ryan cruza seu caminho com vários indivíduos complicados, incluindo Luke (Sam Underwood) e Mandy (Tiffany Boone), o que aumenta as suspeitas de que o reinado de terror de Joe Carroll está longe de acabar”.
E por fim, mas não menos importante, vamos falar sobre as minhas músicas preferidas. Eu ouvi muitos tipos de músicas diferentes, na verdade, sempre ouço muitos tipos de músicas com gêneros diferentes e esse mês três músicas se destacaram. Uma na verdade eu já conhecia mas me peguei ouvindo ela o mês todinho, outra foi grande hit lançado em julho e a última uma que já escutava mas que esse mês não saiu do "reapet" do meu Spotify.
A primeira é uma música do último álbum da Taylor Swift, intitulada "Clean". A letra da música basicamente fala sobre um relacionamento que não deu certo e como ela conseguiu superar o fim e se sentir limpa, foi composta pela própria Taylor junto com o Imogen Heap.  Vai ai um dos trechos que mais curto:
"A seca foi a pior parte

Ah, ah, ah, ah
Quando as flores que cultivamos juntos morreram de sede
Foram meses e meses de idas e vindas
Ah, ah, ah, ah
Você ainda está em mim como um vestido manchado de vinho que eu não posso mais usar"
Sem dúvida a mais tocada nesse mês (e ainda tocada todos os dias) é a nova música da Demi Lovato, "Sorry Not Sorry". Para quem não sabe eu sou a maior fã de Demi Lovato que você respeita, então não poderia ser diferente né?! E vamos ser sinceros, a música tem uma batida muito gostosa e um refrão muito chiclete, quem não amou essa música? Se você não curtiu, por favor, se retire do blog agora mesmo (HUEHE). A nossa Demetria compos a musica junto com ninguém menos que "Pop & Oak" e "Sean Douglas". Um dos meus trechos preferidos da música:

"Baby, gentileza é a melhor maneira de matar

Diga-me como se sente, aposto que é um remédio tão amargo
E é, eu sei que você pensou que tinha coisas maiores e melhores
Aposto que agora está doendo (espere um minuto)"
E a última foi de uma dupla que está no começo da carreira mas já esta deixando pessoas por todo o mundo no chão, tombados, de cara. Estou falando sobre "Seafret", com a música que mais tocou no meu Spotify chamada "Atlantis". Com uma melodia que gruda e com uma letra incrivelmente bem escrita, sem contar a voz da dupla que é maravilhosas. Ai vai um trechinho que eu amo:

"Porque no meu coração e na minha cabeça

Você não pode retirar as coisas que disse
Tão no alto, eu sinto isso vindo
Ela disse que no meu coração e na minha cabeça
Me diga por que isso tem que acabar
Oh não, oh não"
Enfim gente, esses foram os meus favoritos do mês de julho. Me deixa nos comentários indicações de livros, filmes, séries, músicas e o que mais quiserem, vai que entra na minha lista de favoritos de agosto.
Beijos da Cah 



Uma dica extra: CLIQUE AQUI ♥


segunda-feira, 31 de julho de 2017

RESENHA: Sobre Risos, Drinks & Dates (Nanda Pimentel) +15 | por Carol Sant

|
Olar pessoas, tudo belezinha com vocês?
Hoje é dia de resenha e quero conversar com vocês sobre o livro "Sobre Risos, Drinks & Dates", da autora Nanda Pimentel. O livro foi lançado pela editora Autografia no ano passado, mas eu só tive o prazer de ler esse ano! Vamos começar? Então vamos! :)



O livro tem como tema as nossas crônicas amadas de todos os dias (eu particularmente amo ler crônicas), e também vale ressaltar que o livro é dividido em quatro partes, sendo elas: risos, drinks, dates e orgasmosAchei cada parte do livro bem bolada, pois a cada parte já sabemos o que vamos encontrar, por exemplo: em "risos" podemos esperar por algo mais leve e engraçado e já em "dates", podemos esperar por algo mais profundo e reflexivo!
Vale ressaltar que antes do livro ser lançado a autora já escrevia nas redes sociais, só que através de seu pseudônimo chamado Lucrécio. Já no livro também encontraremos crônicas assinados tanto por Lucrécio e mais dois pseudônimo, que são Barbarella de Bóa e Brigite F. e com isso a autora nós mostrará suas facetas através desses personagens mega cativantes.



Eu curti bastante ler o livro, claro que isso se dá por eu ser uma grande fã de crônicas, mas creio que a maioria das pessoas adoram ler crônicas. A autora consegue nos levar para vários lugares pelas situações que nos conta e faz com que nós identifiquemos com o que os personagens sentem e pensam, pelo simples fato de de já ter passado por alguma das muitos dos acontecimentos que rolam no decorrer de cada crônica.



Na real, o livro é bem leve e fácil de ser lido mas, claro que teve crônicas que mexeram mais comigo do que outras e fiz várias marcações durante a minha leitura. 
Mas uma coisa é certa, Nanda Pimentel sabe como mexer com nossas emoções, afinal, ela consegue te fazer rir, se emocionar e refletir em vários momentos durante a leitura. Gostei muito de sentir todas as emoções de uma forma leve e gostosa ao ler o livro!




Eu li o livro durante a maratona de inverno, organizada pelo Victor Almeida, do canal Geek Freak e além das crônicas serem super fáceis de se ler por serem curtas, a maratona me deu um empurrãozinho para que lesse o livro mais rápido ainda... Enfim pessoal, no geral é um livro que eu recomendo muito, mas principalmente, para os amantes e fãs de crônicas.
Beijos da Cah 

Classificação: 



Dica extra: CLIQUE AQUI ♥



sexta-feira, 28 de julho de 2017

Resenha: Rastros de sangue, Val McDermid | por Bea Oliveira.

|
          

Título: Rastros de Sangue

Autor: Val McDermind

Editora: Bertrand Brasil

Onde Comprar:Amazon | Saraiva | Submarino

 Se eu pudesse escolher uma palavra para Rastros de Sangue seria intenso. Se eu tivesse que escolher outra, inquietante. 
 Tony, após seu último e bizarro caso, decide criar sua Força tarefa nacional de criadores de perfis criminais psicológicos, com um objetivo claro multiplicar detetives capazes de fazer um trabalho ao menos similar ao seu, e naturalmente ajudar em casos nos quais a criação de um perfil serja essencial para um desdobramento efetivo. Carol, parceria no último caso, poderia muito bem fazer parte dessa turma, mas escolheu seguir outro caminho e aproveitar uma promoção. Agora ela tem uma equipe que confia muito pouco, ou melhor quase nada na sua eficiência e um caso de incêndios que, ela tem certeza de que são criminosos.
A trama se constrói nessas duas linhas de investigação, a principal sendo a formação da equipe especializada em perfis psicológicos, que levará à descoberta do caso das meninas desaparecidas que, por sua vez, levará à caçada de Jacko Vance, e a secundária, encabeçada por Carol, e devo dizer que essa segunda trama me pareceu desnecessária, apenas para justificar o porque de Carol e Tony não estarem trabalhando juntos no começo.
 Sabemos desde o primeiro capítulo que Vance é o assassino das meninas (na verdade, estamos na frente da polícia que, até então, nem sabe que tal assassino existe). Dessa forma, a expectativa do leitor não é descobrir respostas e sim ver se a polícia vai conseguir encontrar as respostas que ele mesmo já tem, e se conseguirá pegar o criminoso. Ao mesmo tempo em que acompanhamos a polícia, acompanhamos também Vance e, aos poucos, temos vislumbres de seu passado e de sua mente doentia.

“ - Que estejamos há muito tempo no céu antes que o diabo perceba que a gente já foi embora.” 

“Rastros de Sangue” é um livro correto, não cria expectativas exageradas, nem reviravoltas de tirar o folego. Não decepciona, mas também não entrega mais do que promete. O final é previsível,e tenho que confessar que senti falta daquele suspense maior. Há uma grande caçada sim, mas sem grandes dúvidas. 
Um ponto muito positivo é a forma como a autora nos levou para passear dentro da insana mente de um serial killer. Ali, pude entender como ele pensa, como age e como sua motivação o leva a cometer tantas atrocidades sem o menor remorso. 
A edição em si contém diversos erros de edição e isso me atrapalhou muito durante a leitura. Cheguei a abandonar o livro algumas vezes de tão grotescos que eram os erros.  Porém, esquecendo isso, Rastros de sangue é, sem dúvida, uma leitura recomendada para todos os leitores.
O livro, lançado em 1997, originou uma série de TV britânica ("Wire in the Blood") que teve 6 temporadas exibidas entre 2002 e 2008.

- Bea Oliveira.

Classificação: 

quarta-feira, 26 de julho de 2017

RESENHA: O Ceifador (Neal Shusterman) | por Carol Sant

|
Olá pessoinhas, tudo belezinha com vocês?
Quero conversar um pouquinho com vocês hoje a respeito de um livro que se passa em uma realidade utópica, que foi até agora - sem dúvida alguma - o melhor do ano para euzinha aqui. Estou falando sobre o livro "O Ceifador", do autor Neal Shusterman e que foi publicado pela Editora Seguinte aqui no Brasil.

                                                                                                           Foto por: Enfim, resolvido!

Aqui nós somos levados a uma realidade utópica, ou seja, o futuro de um jeito completamente diferente do que conhecemos hoje em dia. Nesta realidade é perfeito, pois as pessoas não adoecem e portanto não morrem, vai ai um exemplo: quando uma pessoa é atropelada elas são levadas a um centro de revivificação e voltam a vida, como se nada tivesse acontecido. Outra coisa é sobre o envelhecimento da aparência não existe mais, já que existem lugares para todos se rejuvenescerem. É notável que a humanidade evoluiu a tal ponto que não existe nem mesmo a corrupção política, já que agora existe a "Nimbo-Cúmulo", que não é nada mais do que uma inteligência artificial que evoluiu da nuvem de dados.

                                                                                                                                                                                 Foto por: Paradise Books

Apesar de toda a evolução, a Terra ainda não consegue comportar tantas pessoas (até porque ninguém morre o que é ótimo porém, bizarro) e é então que vamos conhecer o trabalho dos ceifadores, eles são responsáveis por "coletar algumas vidas" para manter um equilíbrio na sociedade. Ninguém pode intervir nas ações dos ceifadores, ou seja, quem morre pela mão de um ceifador não pode ser revivificado!
Nessa história nossos protagonistas principais são: Rowan e Citra, ambos acabam cruzando o caminho do ceifador Faraday e logo são imediatamente convocados para serem aprendizes de ceifadores, o grande problema é que nenhum dos dois querem realmente se tornarem ceifadores e é exatamente por isso que são escolhidos.
Por outro lado, alguns ceifadores acabam sentindo cada vez mais prazer em cumprir sua tarefa de matar e estão cada vez mais sedentes por sangue. Mas ainda temos um porém aqui: apenas um dos dois jovens se tornará de fato um ceifador e quem perder a disputa pelo título será coletado pelo ganhador.

                                                                                                                                                                     Foto por: Prazer, me chamo livro!

Eu amei cada parte dessa história e tenho que admitir que sofria sempre junto com os personagens. A narrativa do autor é super fluída e muito rápida de ser lida, o que não faz o livro ficar massante já que são 440 páginas de reviravoltas! Ler esse livro foi realmente um milkshake de sentimentos, afinal, não sabia se gostava ou não de alguns ceifadores que aparecem ao longo da história, pelo fato de que eu acabava sempre entendendo o que eles faziam e porque faziam o que faziam.
O autor conseguiu me prender do começo ao fim e a cada capítulo eu conseguia ficar cada vez mais surpresa em como as situações iam se desenrolando. Sem ser exagerada, a história dessa obra é inacreditável...o mundo que o autor criou me deixou de boca aberta (literalmente), não sabia se ficava encantada ou com raiva de algumas coisas. Aqui nós temos sim um romance que vai acontecendo no desenrolar da história, mas de modo algum o romance parece ser o foco do autor, o que me deixou mais animada para ler a continuação!
Enfim, foi um livro cinco xícaras e favoritado sem nem precisar pensar duas vezes. Mega recomendado para todo mundo, porque o mundo inteiro precisa ler esse livro.
Beijos da Cah