RESENHA: Nossas Horas Felizes (Gong Ji-Young) | por Bea Oliveira.

Em ambos os casos um ser humano está decidindo que outro ser humano merece morrer. É um ser humano sendo morto por outro ser humano. Mas, de acordo com você, um caso é assassinato, e o outro é execução. Uma pessoa é rotulada como assassina e morre por seu crime, enquanto a outra ganha uma promoção. Isso é justiça?   
A primeira coisa que consigo dizer sobre o livro é que ele com toda certeza é impactante! É narrado em primeira pessoa por Yujeong, uma jovem de trinta anos encantadora, bonita, inteligente e que tentou se matar três vezes. Para sair do hospital e não precisar de acompanhamento psiquiátrico, ela aceita acompanhar sua tia freira por um mês em visitas voluntárias a uma prisão para encontrar com presos no corredor da morte. E é por causa desse acordo que as vidas de Yujeong e Yunsu vão se encontrar. 
Yunsu é apenas mais um preso agressivo, condenado a morte por cometer um crime hediondo. E logo a primeira vista, percebemos que ele parece não estar arrependido de seus crimes,  e que ainda consegue sustentar um sorriso debochado e um olhar ameaçador. E a única certeza sobre ele é sua morte!
"Mas, depois de conhece-lo, tive certeza de duas coisas: eu nunca mais poderia me matar de novo, e que isso era tanto o último presente quanto a sentença final que ele havia me dado."
Através de Yujeong podemos sentir a raiva e revolta - que pessoas como nós que olham a situação de fora tem -, contra um condenado à pena de morte, depois fui levada a desvendar através de diálogos dela com sua tia e depois com o próprio Yunsu que nem tudo é preto no branco. 

 Foi uma leitura extremamente agoniante  e que me fez refletir capítulo por capítulo.  A autora não tentou  em momento nenhum justificar as atitudes de Yunsu por sua condição financeira ou classe social, mas usa ele como alerta para o fato de milhares de crianças e adolescentes não terem oportunidades ou chances de ter uma vida digna, sendo muito mais fácil sucumbir as más influências, e muitas vezes são simplesmente descartadas, como um brinquedo com defeito.
O tempo todo durante a leitura eu senti uma inquietação, um nó na garganta e uma enorme vontade de chorar, até porque não é uma leitura fácil, são 279 páginas de sofrimento, tristeza e revolta. Yujeong é uma protagonista que cresce ao longo da história. Já Yunsu, apesar de ser um criminoso, dava impressão se ser uma criança que se perdeu no mundo, e confesso que me senti na corda bamba com ele, hora o amando, hora odiando, mas no fim não pude deixar de perdoa-lo, e sinto que uma parte de mim morreu com ele a cada lagrima que derramei.
Nossas Horas Felizes  foi um livro marcante, que eu levarei para sempre em mim, ele mudou minhas crenças e opiniões sobre o mundo, sobre o que é justiça, recomendo muito a leitura. 
- Bea Oliveira.

Um comentário: